Nesse texto, vamos falar sobre a grafia das SIGLAS, que gera muitas dúvidas. As siglas são maiúsculas ou minúsculas? As letras devem ficar em CAIXA ALTA? Só a inicial é maiúscula? Algumas letras são maiúsculas e outras minúsculas?

Já falamos sobre o uso das letras maiúsculas em outro texto aqui do blog, porém, as siglas merecem uma atenção especial.

Afinal, as siglas são maiúsculas ou minúsculas?

Para começar, você não precisa decorar todas as siglas, até porque isso seria impossível. Vamos te explicar o raciocínio que você deve seguir, mas você também tem sempre a opção de consultar a agência, a instituição, a empresa para ver a grafia que eles adotam

A sigla é composta pelas letras iniciais de um conjunto de palavras. Toda vez que você trouxer uma sigla no seu texto, é recomendado que você primeiro escreva por extenso e depois coloque a sigla entre parênteses, por exemplo: Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

O que observar?

Você vai precisar observar dois aspectos principais ao usar as siglas: a quantidade de letras que compõem a sigla e se ela forma uma palavra “normal” na língua portuguesa. O que chamamos aqui de palavra normal é aquela composta por consoante, vogal, consoante em suas diversas combinações (CV, CVV, CVC).

Se a sigla tiver até 3 letras, todas elas aparecem em CAIXA ALTA, por exemplo, a sigla dos estados (SP, RJ, MG) e siglas como ONU (Organização das Nações Unidas), OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito), USP (Universidade de São Paulo), SUS (Sistema Único de Saúde)…

Se a sigla tem 4 letras ou mais, você vai observar se ela forma uma palavra ou se as letras são soletradas. Por exemplo:

  • FGTS, BNDES, INSS, ABNT são soletradas, ou seja. não formam uma palavra Portanto, todas as letras ficam em caixa alta!
  • Petrobrás, Covid, Unesco, Unesp, Funai, Sebrae, Aids formam palavras “normais” na língua portuguesa. Assim, só a primeira letra é a maiúscula.
É sempre assim?

Não. Vamos falar das exceções. Há siglas que já estão consagradas de uma determinada forma e essa grafia deve ser respeitada.

É o caso de UnB (Universidade de Brasília), CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico), CAPES (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) e UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância).

Importante!
  • Nunca use ponto final entre as letras que compõem uma sigla!
  • Para o plural, coloque um “s” minúsculo no final, sem apóstrofo: CPIs.
  • Evite usar siglas nos títulos porque você ainda não vai ter apresentado o desdobramento da sigla para o leitor.
  • A concordância deve ser feita com a primeira palavra da sigla, por exemplo: usa-se “o UNICEF”, pois o artigo concorda com “Fundo das Nações Unidas para a Infância).

DICA BÔNUS: lembre-se da grafia da sigla PIS-Pasep como regra geral! Até 3 letras em caixa alta e palavra “normal” somente com a inicial maiúscula. 😉

QUEM ESCREVE?

Fernanda Massi é Mestra e Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP/Araraquara. Ela é também Pós-doutora em Linguística Aplicada pela UNICAMP. Foi professora de Leitura e Produção de Textos na UNESP/Araraquara e na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).  Nesse período, orientou trabalhos de conclusão de curso (TCC) e de iniciação científica. Fernanda trabalha com revisão de texto desde o início da sua graduação em Letras (2004) e é também a responsável pela equipe de revisão da Letraria.

1 Comentário. Deixe novo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ESCRITA CIENTÍFICA: o que é? como fazer?
O que é um autor pequeno?