Antes de explicar a diferença entre essas duas expressões, é importante dizer que ambas existem na língua portuguesa! Muitas vezes, o uso inadequado de uma determinada expressão faz a gente achar que ela não é cabível em nenhuma hipótese (como é o caso de “perca“), mas isso nem sempre é verdade…

Senão é uma única palavra e geralmente tem o sentido de oposição. São sinônimos de senão: 1) do contrário, de outro modo; 2) mas, porém; 3) com exceção de, exceto. Um exemplo de uso do “senão” é a frase abaixo:

Fale alto, senão ninguém vai ouvir!

Já a expressão se não é composta pela conjunção “se” (que indica uma condição) e o advérbio “não”. Os advérbios servem para modificar o sentido dos verbos, por isso, é comum que essa expressão apareça antes de um verbo. São sinônimos de se não: 1) caso não; 2) quando não. Por exemplo:

Se não falar alto, ninguém vai te ouvir!
(falar = verbo)

Repare que, nesse exemplo, é possível inserir um “você” entre o “se” e o “não”, o que comprova que não cabe a palavra “senão” nessa oração:

Se você não falar alto, ninguém vai te ouvir!

Uma das formas de verificar quando devemos usar “senão” ou “se não” é fazendo a substituição da palavra ou expressão por outra que seja sinônima, como nos exemplos abaixo:

Coma, senão ficará fraco! 
Coma, do contrário, ficará fraco!

Todos riram, senão ele.
Todos riram, exceto ele.

Se não estudar, não será aprovado!
Caso não estude, não será aprovado!

Nesse último exemplo, também é possível inserir o “você” entre o “se” e o “não”:

Se você não estudar, não será aprovado!

Nos casos em que usamos se não (separado), a simples exclusão do “não” faz com que a frase tenha um sentido contrário, o que nos ajuda a perceber que o “não” estava modificando o verbo e não fazia parte da palavra “senão”. Por exemplo:

Se não comer, ficará fraco!
Se comer, ficará forte!

Nesse caso, não podemos trocar se não por “do contrário” (Do contrário, ficará fraco!), pois a primeira oração vai ficar incompleta: do contrário o quê?

Há outras situações em que o verbo pode estar implícito e é a vírgula quem vai decidir se escrevemos senão ou se não. Por exemplo:

Chegue cedo, se não [chegar], vai perder o lugar!
(Chegue cedo, caso não chegue, vai perder o lugar!)

Chegue cedo, senão vai perder o lugar!
(Chegue cedo, do contrário, vai perder o lugar!)

Conseguiu entender a diferença?

Se não, deixe sua dúvida nos comentários. 😉

Fernanda Massi é Pós-doutora em Linguística Aplicada pela UNICAMP, Doutora e Mestra e Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP/Araraquara e coordenadora da equipe de revisão e normatização da e-ditora Letraria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Uso da vírgula
Não use crase!