O uso do acento grave da crase sempre gera dúvidas. Antes de mais nada, vale lembrar que a crase é a fusão da preposição a com o artigo feminino definido a(s), ou seja, é como se houvesse uma repetição de “a a(s)” que resulta em à(s), assim como a fusão da preposição “a” com o artigo masculino definido “o(s)resulta em ao(s).

Em outro post, falamos sobre as situações em que a crase é obrigatória! Hoje, falaremos sobre os casos em que não se usa a crase justamente porque não ocorre a fusão da preposição “a” com o artigo definido feminino “a(s”).

Assim, a crase não deve ser usada nos seguintes casos:

1) Antes de palavras masculinas (em que se usa o artigo definido masculino “o”):

Aquela loja não vende a prazo.
Aos sábados, costumo andar a cavalo na fazenda.

2) Antes de verbos, pronomes pessoais, pronomes indefinidos, pronomes demonstrativos, artigos indefinidos e plural genérico (em que não se usa nenhum artigo):

Blusas a partir de R$14,90.
Ela entregou os documentos a mim.
Não sei a quem devo recorrer.
Estou me dedicando muito a esse esporte.
Pretendo dar meus livros a um amigo.
Não conte seus segredos a pessoas estranhas.

3) Nas indicações de horas, só não usamos a crase se o artigo definido feminino “a(s)” já estiver acompanhado de uma preposição (até, após, desde, entre, para). Por exemplo:

Estamos trabalhando desde as 7h.
Vamos jogar até as 18h.
O encontro foi marcado para as 14h.

4) Também não se usa a crase nas expressões em que duas palavras se repetem:

gota a gota, cara a cara, dia a dia, frente a frente, ponta a ponta, linha a linha

Agora que você já sabe quando não usar a crase, leia também nosso post sobre quando a crase é obrigatória.

Comente abaixo: qual regra você achou mais difícil?

Até a próxima!

Fernanda Massi é Mestra e Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP/Araraquara e Pós-doutora em Linguística Aplicada pela UNICAMP. Foi professora de Metodologia do Texto Científico na UNESP/Araraquara e na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), tendo orientado trabalhos de conclusão de curso e de iniciação científica. Trabalha com revisão de texto desde o início da sua graduação em Letras, em 2004, e já revisou inúmeros trabalhos de diversas áreas. É também a responsável pela equipe de revisão da Letraria.

17 Comentários. Deixe novo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Senão ou se não?
Letraria lança 1ª HQ em Libras!