A epígrafe é mais um daqueles elementos que muitos autores querem inserir no texto, mas não sabem como fazer isso.

Para começar, vejamos a definição da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). Para ela, a epígrafe é o “texto em que o autor apresenta uma citação, seguida de indicação de autoria, relacionada com a matéria tratada no corpo do trabalho”.

Dessa forma, o conteúdo da epígrafe precisa ter relação com o tema da sua pesquisa. Porém, não precisa ser um texto teórico. Ela pode ser uma frase retirada de qualquer gênero: livro, filme, blog, artigo…

Essa frase pode ter te inspirado durante a escrita do trabalho ou antes mesmo de começar. Logo, a escolha da epígrafe é muito pessoal. Ou seja, não existe epígrafe clichê que você coloque para garantir um status de erudição.

Como formatar a epígrafe?

A epígrafe é um elemento pré-textual que não é obrigatório e deve ser formatado como citação direta. Independente da quantidade de linhas que ela ocupa, deve vir entre aspas, alinhada à direita, em espaçamento simples. Além disso, é preciso indicar o autor, o ano e a página da citação dentro dos parênteses em CAIXA ALTA.

Se quiser destacar um trecho da citação, use negrito ou itálico. Além disso, indique “grifo nosso” depois da página. Assim: (SIMÕES, 1947, p. 45, grifo nosso)

Por outro lado, se o trecho já estiver grifado no original, use “grifo do autor”. Assim: (SIMÕES, 1947, p. 45, grifo do autor)

Por fim, vale lembrar que as folhas ou páginas pré-textuais devem ser contadas, mas não numeradas. Portanto, a página onde está a epígrafe deve ser contada.

QUEM ESCREVE?

Fernanda Massi é Mestra e Doutora em Linguística e Língua Portuguesa pela UNESP/Araraquara. Ela é também Pós-doutora em Linguística Aplicada pela UNICAMP. Foi professora de Leitura e Produção de Textos na UNESP/Araraquara e na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).  Nesse período, orientou trabalhos de conclusão de curso (TCC) e de iniciação científica. Fernanda trabalha com revisão de texto desde o início da sua graduação em Letras (2004) e é também a responsável pela equipe de revisão da Letraria.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS: o que são?
Como fazer a CAPA do seu trabalho acadêmico?